sábado, 11 de maio de 2013

A Pergunta Lançada aos ceus!



Cansada de se sentir um fardo

A Flor lança uma pergunta aos céus

Haverá algo em que a ela possa contribuir?


Os céus parecem não ouvi-lá

Mas ainda assim a Flor procura

Só que cada palavra sua parece obvia

e suas dificuldades banais para os demais


E então a Flor ouve claramente algo

Estas disposta a assumir quem você é?

mesmo que não seja considerado o normal??


Isso  assustou muito afinal

embora nunca sendo bem sucedida

ela sempre tentou ser normal


Mas mesmo com o susto a Flor foi

e como magica a maldição se transforma em benção

Já mais como ela do que jamais sonharia



Se conseguir mostrar que é possível

viver bem mesmo sendo diferente

Já estarás contribuindo com muita gente.

E assim a pergunta lançada ais céus

enfim foi respondida!!!











 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

A Voz Interna



A Flor olha para dentro de si

e vê algo novo surgindo

algo muito belo


Uma vontade de contribuir

mesmo que não siba como

mesmo que não saiba onde


E começando a acreditar que pode

E quando cede ao habito da depreciação

Há uma voz interna a lhe dizer:

"Não faça isso ou matarás

algo que está nascendo

alimente essa vontade

mesmo que não saiba como

mesmo que não sabia onde"










 

sexta-feira, 12 de abril de 2013

A Semelhança por trás das diferenças




Se queres ver o mundo aos olhos de Joana eu lhes lanço um desafio. Primeiramente lembre de tudo o que existe em você que você acredita que ninguém mais tenha, que é exclusivamente seu. Imagine que você vê tudo isso como negativo. Como algo que o impede de se conectar com o mundo e com as pessoas ao seu redor. No entanto não perca o seu desejo de se conectar. Pronto! Um conflito dos grandes está formado. E imagine que tudo que você faz nessa vida é uma tentativa de lidar com esse conflito.

E que de muitas formas você tenta se conectar. Mas há um problema. Você se aprofundou em crenças que tornam isso impossível. Você mergulhou e foi fundo na crença de que você é tão diferente que é impossível para as pessoas te entenderem. Você não se sente mais parte da humanidade. Você é um ser a parte.  A partir disse tente se conectar. tente se aproximar de alguém. Será que você conseguiria?

Nessas circunstancias o maior pesadelo de muitos é o seu maior sonho. Ficar sozinho!! Você sente o desejo de se conectar mas quando tenta se sente pior. Suas próprias crenças de que todos lidam bem com tudo dificulta as coisas. Seu próprio medo de ser rejeitado parece produzir exatamente isso!!

E por um tempo você sente que a solidão é o seu caminho. Aquilo que tantos temem não lhe é assustador. O assustador é o contato. E o desejo de se conectar parece morrer dentro de você.

No entanto em algum momento, sem você sequer identificar o motivo, a seu desejo por conexão renasce.   E você já tão confortável na solidão não sabe o que fazer. Consegue entender o dilema? Se conseguir entender, então entenderá Joana.

E ao tentar pegar o caminho de volta a conexão você só conseguirá ao perceber que por tras de todas as diferenças existem muitas semelhanças. Porque todos se sentem rejeitados em alguns momentos. Todos tem momentos que querem fugir do mundo. Foi o que Joana constatou surpresa quando começou a se abrir. Mas para Joana constatar isso foi preciso fazer algo temido por ela. Dar um passo em direção as pessoas. Dar uma chance a elas!! E dar uma chance a si mesma de se relacionar!!

E então Joana descobriu as semelhanças por trás das diferenças. E isso está tornando cada vez mais o contato com o outro mais fácil!!!

 

quarta-feira, 20 de março de 2013

O Anjo




Quando um anjo apareceu a Flor

A Flor  pediu-lhe  com toda força:

Por favor, livre-me do meu passado!!

em tom que praticamente implorava


O anjo no entanto lhe disse:

Isso não pode ser feito

seu passado faz parte de quem você é

só conseguirás seguir adiante se aceita-lo


E assim o tempo foi passando

e em um momento surpreendente

Desses que mostram toda a contradição

e até paradoxo existentes em nosso interior


Nesse momento o passado quer ir embora

e quer nos deixar livres para o novo

Nesse momento a Flor descobre

Ela não quer que ele se vá


E descobre que por mais doloroso

que um dia possa ter sido

uma parte dela também ama aquele passado

E as partes boas que havia nele

haverá algo mais satisfatório?


No entanto não há mais como evitar

melhor deixar as perguntas de lado

e aproveitar a viagem

seja lá onde ela for levar!!









 

domingo, 17 de fevereiro de 2013

A Parte Amorosa





Após sua primeira experiencia com o espelho magico Joana sente vontade de usa-lo mais uma vez. Afinal é uma ferramenta extramente útil para ela se conhecer e expiar cada vez mais o seu mundo interior.  E mesmo  que ela tenha menos vivencia exterior que a maioria das pessoas Joana sente que essas vivencias interiores a enriquecem.  E no momento essas vivencias são o que ela tem de melhor para compartilhar ao mundo.  Para compartilhar a quem quiser.  A quem essas experiencias servirem.  E através disso suas vivencias interiores acabam se exteriorizando.

Então Joana compartilhará aqui mais uma experiencia.  Ela se aproxima do espelho mais uma vez e observa.  E se da outra vez ela viu sua parte mais recoltada dessa vez ela viu sua parte mais amorosa.  Vamos chama-la de amanda.

Amanda sabia que era preciso respeitar a escolha alheia. E que amar não significa grudar na outra pessoa. é preciso dar a liberdade para que a pessoa se afaste se ela assim sentir necessidade.  E que se você se arrepende de algo e pede desculpas a alguém a pessoa tem o direito de não te desculpar.  Não se pode obrigar ninguém a isso. É algo interno da pessoa.  E ninguém muda como uma pessoa se sente a não ser a própria pessoa. É ´preciso respeitar o que a outra pessoa sente, não se pode fazer isso na marra.

Mas uma coisa pode ser feita. Continuar tendo carinho pela pessoa mesmo a distancia. Mesmo que ela nem sempre te entenda ou acredite em suas intenções. E continuar amando e desejando tudo de bom para ela mesmo que tal pessoa sequer queira falar com você.

Amanda entende isso.  E quando Amanda se manifesta em Joana ela consegue amar dessa maneira. é sempre que acontece? Não!!  E quando Joana olha no espelho magico e encontra Amanda fica feliz ao perceber que esse amor existe nela.  No entanto Joana sabe que é preciso amar sua parte revoltada também. è preciso se amar por inteiro. Todas as suas partes. Só se amando dessa forma é possivel amar verdadeiramente a outra pessoa.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Espelho Magico





É apenas mais um dia na vida de joana. E certamente Joana faria o que fazia todos os dias: estudar, assistir alguns videos no youtube, conversar com alguém pela internet, e quem sabe marcar de sair com alguma amiga. É sua rotina diária. Nada muito diferente disso. O que mais poderia acontecer?

Mas hoje a vida lhe reservava uma surpresa que ela jamais poderia imaginar.  Apos tomar o seu café da manhã e seu banho Joana voltou ao seu quarto. Mas ela nota algo que não estava lá. Um embrulho. é um presente. Joana não faz ideia de como aquilo foi parar lá.

Ela desembrulha e encontra um espelho. E um bilhete que dizia:  "  Esse é um espelho magico. Ao olhar para ele você encontrará aspectos de si mesma que talvez sequer faça ideia que exista. Alguns serão agradáveis outros nem tanto.."

Joana le o bilhete mas não entende bem o que ele quer dizer.  E nem faz ideia de quem possa ter envido um presente tão inusitado.  Mas já que o espelho está lá Joana resolve usa-lo para ver o que acontece.

Ela olha para o espelho e não vê a si mesma, ou pelo menos não se parece com ela no primeiro momento. Joana não vê apenas uma imagem diferente, vê uma personalidade diferente.  Tão diferente que ela lhe dá um outro nome : Luana. Mas é como se Luana fizesse parte dela mesmo que Joana não fizesse ideia de sua existência.  E Luana de certa forma dominava as reação de Joana em certas situações.

Então falarei um pouco sobre o que Joana viu sobre Luana.  Joana ficou realmente espantada com Luana. Como poderia ter esse aspecto Joana parecia o oposto de Luana em muitas coisas. Principalmente em uma coisa: Joana se sentia muito culpada por ter recebido tanto da vida e dado tão pouco.  Mas Luana não, Luana sentia que a vida a devia.

Afinal a vida foi responsável pelo seu isolamento fazendo-a tão diferente em um mundo que não sabe lidar com as diferenças.  Sendo assim seu isolamento inevitável  não importa o que fizesse.  E para receber isso ela não precisava fazer nada. Bastava ser quem era.  Não parecia justo e isso fez com que crescesse uma revolta em Luana.

Mas Joana não viu apenas isso. Ela viu também o que fez a Luana.  E Luana não era um aspecto bem vindo. Revolta não era compatível com quem Joana achava que deveria ser.  Ela prendeu Luana e tentou impedi-la de se manifestar.  Mas Luana sempre encontrava uma manira de agir sem Joana perceber.  E Joana ficava totalmente espantada se alguém a achava agressiva.

Mas poe mais que tentemos esconder certos aspectos eles sempre aparecem de uma forma ou de outra.  E Luana que aparecia deforma imperceptível a Joana ( embota não tanto para os outros)  começou a aparecer de forma mais obvia para ela.  E Joana ficou realmente atônita com certas reações suas.  Não pareciam suas. mas era suas. Era de Luana, uma de suas partes escondidas.

Começou a aparecer a raiva de uma forma que Joana jamis sentira antes.  Ela começou a se ver revoltada com qualquer pequena frustração.  E ao ver Luana no espelho magico Joana compreendeu porque. Havia um sentimento que dizia mais ou menos assim: " Já que a vida dificultou as coisas para mim durante tanto tempo agora deveria facilitar um pouco."  E está sendo de certa maneira. Mas para Luana facilitar parece ser o seguinte: " Que tudo o corra da forma que ela quer". O que realmente não está acontecendo em vários aspectos.  E isso gerou revolta.

E quando Luana saiu de sua prisão ela parece ter dominado Joana por um tempo.  E uma enorme revolta foi o que Joana sentiu com mais intensidade.

E ao ver tudo isso em seu espelho Joana conseguiu compreender suas ultimas atitudes.  E compreendeu também que é preciso olhar com compaixão para Luana. Ao invés de começar uma briga interna e dizer que esses sentimentos não deviam existir.  Isso apenas aumentaria a revolta de Luana. E no final das contas tudo o que Luana quer é ser compreendida.











segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O Sonho de Doar






No sonho da Flor

ela está um menino a abraçar

menino assustado, a tremer

E a Flor com ele sem seus braços

tenta acalma-lo


O menino a abraça forte

a Flor sente seu temor

a Flor sente todo seu pavor


Ele a agarra fortemente

e a Flor não se lembra

nem em vida nem em sonho

de ter sentido tanto pavor

vindo de alguém

como sentiu vindo daquele menino


A Flor acorda atordoada

ainda mexida com tanto pavor

 mas está feliz. Muito feliz

Foi ela quem deu o abraço

e não quem recebeu

foi ela quem consolou

não foi a Flor a consolada


E então a Flor percebe

o quanto também quer doar

 mas sempre que tenta se doar

nada parece bastar


Talvez alguns tenham

uma carência sem fim

talvez o Flor não saiba fazer


Nesse blog a Flor compartilha

suas descobertas, suas emoções

talvez seja uma forma de doação

talvez um dia sua atuação fique tão boa

quanto a Flor de seu sonho!!!
















domingo, 3 de fevereiro de 2013

Questão de atitude




Na adolescência Joana fez uma escolha. meio inconsciente , mas ainda assim uma escolha.  Se afastar de relacionamentos. As pessoas eram complicadas demais. E exigentes demais. Será?  A final o que realmente define a atitude das outras pessoas com relação a gente? Será que somos realmente tão impotentes assim? E que quando nos relacionamos viramos reféns da outra pessoa?

Bem Joana tem observado algo interessante. Uma reação diferente quando ela conta a sua historia.  Como se ela passasse de problema para exemplo . Pelo menos para algumas pessoas. Mas o que aconteceu em sua vida não mudou. Então porque essa diferença? Porque algumas pessoas a acham dramática e putras não veem tanto drama assim nela? Porque isso se ela conta os mesmos fatos?

Joana chegou a uma resposta quanto a isso.  E foi o seguinte: A maneira como vemos e contamos a historia é mais importante que o fato em si.  É uma questão de perspectiva.

Vou listar alguns fatos da vida de Joana e depois mostrar duas maneiras de contar a mesma historia.

Vamos aos fatos:

1) Joana teve dificuldades escolares no inicio de sua vida escolar.
2) Joana conseguiu supera-los mas parecia presicar estudar o dobro que as outras pessoas para chegar ao mesmo resultado.
3)  Joana tinha dificuldades sociais
4) Está tentando supera-las
5) se desentendeu com uma amiga.

Agora vamos as versões. Versão 1:

"Joana teve muito dificuldade no inicio da vida vida escolar.  Com o tempo até se tornou boa aluna mas tinha de estudar o dobro em comparação aos seu colegas. é, ela não era muito inteligente , né. Era uma forma de compensar  Para ela atingir o que muitos conseguem com facilidade tem de abrir mãe de tudo.  Fazer o que ela não foi beneficiada com a inteligencia.  E sempre foi pessima em relacionamentos e por mais que tente supera-los parece que nada é p suficiente. E o  seu mais recente desentendimento é uma prova de que amizades não é para ela".


Versão 2:

"Joana teve muita dificuldade no inicio de sua vida escolar., mas ela não desanimou nem se deixou abater. Ela iria se recuperar nem que para isso fosse preciso estudar o dobro do que via seus colegas estudando. Com muita força de vontade ela conseguiu se superar. E todos ficaram um tanto impressionados quando ela se tornou uma das melhores alunas. Joana tem muita força de vontade e capacidade de superação.  Força de vontade que atualmente ela está usando para melhor sue relacionamentos sociais.  Mas isso é um aprendizado também e como em todo o aprendizado há tropeços. E ela se desentendeu com a amiga mais uma vez.  Desentendimento que Joana usará como um degrau  E mesmo que elas n~so se entendam mais o aprendizado com essa experiencia será proveitoso para futuros relacionamentos."


Como podem ver são versões bem diferentes da mesma historia.  Na versão 1 seria de alguém que acha suas dificuldades insuperáveis. E essa crença a torna uma vitima de duas limitações.  A versão 2 seria de alguém que acredita que tudo é superável e não quer suas "limitações" definam a sua vida.

Joana já usou as duas versões. E ela percebeu o seguinte. Para quem ela usou predominantemente a versão 1 as pessoas tendiam a vê-la como um problema.

Mas em um determinado momento da sua vida ela passou a usar a versão 2 e para quem ela fez isso e viu de forma completamente diferente, como um exemplo.

 E o mais interessante de tudo é que não foi a historia que fez diferença , foi a atitude de Joana com relação a historia.

Agora não estou dizendo que devemos fazer isso para obter aprovação das outras pessoas. Até porque nem sempre vai ser assim. Não tem como controlar o que a outra pessoa sente sobre você.  Porque se ver como vitima enfraquece e faz com que nos tenhamos força para levar a nossa vida.

Mas Joana  observou essa mudança de olhar a ela como uma consequência.  E a fez perceber  que a forma como as pessoas nos veem tem muito a ver com a nossa atitude perante a elas e perante a vida.





quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

A Estrela






Uma das descobertas mais chocantes de Joana. Há quem ache ser diferente uma benção.  E para Joana isso foi chocante porque sua experiencia de vida mostrava que ser diferente era problemático   Mas Joana descobriu uma coisa. Não era exatamente ser diferente que a fazia se sentir mal.  A questão é que sua diferença era associada a problema. Internamente ser diferente estava associado a ser problematica.

Ela ser estudiosa mas isso não era visto como qualidade. Ela era a  CDF.  Era a estranha, a que não sabia aproveitar a vida.  A que não sabia fazer amizades. A que fugia da vida. O que de certa forma era verdade. Afinal seu mundo interno era bem mais interessante. Era um mundo que muitos chamariam de utópico  Onde ninguém tentava deliberadamente ferir o outro. Para que Joana sairia desse mundo e iria enfrentar o mundo lá fora que não é utópico?

Joana tem um amigo que acreditava que podia mudar o mundo. O que nunca foi o caso de Joana. Ela não acreditava que podia mudar o mundo. Ela só queria se refugiar dele.  Afinal como diz a musica " o mundo nunca seria aquela fraternidade de homens."

E Joana pegou sua parte mais bonita e brilhosa e colocou toda ela em seu mundo interno. Um mundo somente ela sabia que existia.  E por conta de sua luz ter ido toda para esse mundo o que as pessoas viam era apenas uma estrela sem brilho.

E as preocupações cresciam. Seria Joana capaz de encarar a vida? Uma duvida externa mas que existia internamente em Joana. Joana olhou o mundo e ele lhe pareceu cruel demais e foi por isso que ela se refugiou.  Além disse de tanto a verem como alguém sem brilho ela começou a achar que não tivesse. Um amigo uma vez lhe disse: "Uma mentira dita muitas vezes torna-se verdade." E de certa forma por um tempo isso aconteceu.


Mas não mais. Algo mudou dentro de Joana. E ela sabe dentro dela que é capaz de se realizar na vida.  Que é capaz de fazer amizades, mesmo que nesse momento ela não esteja se saindo bem em mante-las. Que é capaz de conseguir independência mesmo que nesse momento não faça ideia de como adquiri-la. Talvez nesse momento Joana esteja tentando descobrir como participar de um mundo que ela sempre teve resistência a participar. Talvez mesmo com suas dificuldades seu brilho faça bem ao mundo. Mesmo que ela não entenda o mundo, mesmo que muitas vezes o ache caótico  Não importa o que digam Joana descobrirá uma maneira.  Talvez ela ainda consiga ser uma estrela.


domingo, 20 de janeiro de 2013

O Jogo






As vezes Joana se lembra de coisas do nada.  De acontecimentos  Acontecimentos simples na maioria das vezes. Mas parece que são os mais simples que lhe oferecem os maires insights.

Joana tinha uns 13 anos e na época estava fazendo um acompanhamento com uma psicomotricista para melhorar a coordenação motora. E em uma das consultas a psicomotricista solicitou que ela fizesse um jogo. E Jona fez.  Um jogo de dados e tabuleiro. Ela desenhou o tabuleiro. fez as regras.  E ela e a psicomotricista começaram a jogar.  Só que o jogo não acabava. As regras criadas por Joana fizeram do jogo dificil demais e parecia mesmo ter tornado impossível que o jogo chegasse ao fim.

Em determinado momento Joana começou a ficar exausta e cansada.  O Jogo não terminava.  E ela já queria fazer outras coisas  mas estava presa naquele jogo.  Um jogo que não estava sequer sendo divertido a Joana.

E então Joana se virou para sua parceira de jogo e perguntou se já que ela havia criado o jogo se ela não podia mudar alguma regra. E a resposta foi sim afinal o jogo era dela.  E então Joana retirou algumas regras do jogo que davam ao mesmo uma dificuldade desnecessária. E depois de pouco tempo o jogo foi completado.

E sabe como no jogo de Joana as vezes  acontece o mesmo na vida. Colamos dificuldades desnecessárias a nossa frente.  Colocamos condições para nos sentirmos bem, mesmo sabendo que temos muitas bençãos em nossas vidas.  Não estou dizendo que devemos gostar de tudo o que acontece em nossas vidas.  Para nos sentirmos bem não é preciso gostar basta aceitar.

Aceitar como natural da vida haver algum desentendimento  Algum plano frustrado.  Afinal quem garante que um plano frustrado não dará origem a um plano que nos levará a um locar que nos deixará mais satisfeitos que no plano original?

Não estou dizendo para negarmos nossas frustrações. Mas não é a frustração em si que nos rouba a felicidade. é a não aceitação. Sentimentos como frustração estão presentes em todos.. todos sentem em algum momento da vida.  E aceitar isso em nós significa aceitar que somos  humanos.

Enfim Joana descobriu que uma das coisas que pode tornar o jogo da vida estressante é a não aceitação de seus sentimentos. Sentimentos humanos. Eles só são prejudiciais se nos deixamos dominar por eles.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Dialogo interno






Não sei se todos os leitores entenderão esse tópico  Não por porque eles tenham alguma inabilidade para entender. Mas algumas coisas me parecem difíceis de explicar. De colocar no papel, ou melhor dizendo na tela do computador.

Mas é algo interessante o auto descobrimento.  A gente descobre varias facetas de nós mesmos. E parece que algumas facetas crescem mais rápido que outras. Nem sempre é algo harmônico  E muitas vezes há partes que insistem em permanecer imaturas. A despeito de tudo o que já foi descoberto.

 E mesmo que Joana tenha amigos que a ajudem quanto a isso não há muito o que eles possam fazer.  Gostando ou não disso ela é a unica que pode ajudar suas facetas imaturas a crescerem. E isso é feito tendo compaixão. E não através da condenação. Ou através de pensamentos do tipo: Como posso continuar fazendo isso após todo esse tempo?

 E então Joana decidiu fazer um dialogo interno entre o que vamos chamar de consciência e parte imatura, vou chamar a parte imatura de menininha. Porque na verdade é como ela se sente  uma menunha incapaz de andar por seus próprios pés.

Abaixo vai o dialogo:

Consciência:  O que está te incomodando?

Menininha: Todos estão me achando crescidas demais

Consciência: E você não está?

Menininha: Um pouco mas não a ponto de ser deixada por conta própria

Consciência: Mas não era o que você queria o tempo todo?  Independência?  Para isso não teria de ser deixada por conta propria em algum momento?

 Menininha: bom, sim, mas a verdade é que isso me assusta

Consciência: O que exatamente?

Menininha: Não idealizar ninguém   Eu sempre me senti tão insegura que eu precisava de um herói. Eu precisava acreditar que esse herói existia. Porque era uma tarefa árdua demais levar meu dia a dia. Eu ficava insegura e nervosa para coisas banais. E eu encontrei esse herói mas ele não está mais disponível para mim, não como antes.


Consciência: talvez não como esse herói idealizado.  Ele sempre quis uma relação de igual para igual sempre deixou claro isso.  Não idealizar significa crescer e mais, significa ver que você também pode.  Talvez seja hora de você conhecer o seu herói interno e então pode ser que nossa relação com ele e uma com a outra renasça de uma forma diferente.

A menininha ficou mais tranquila e se calou.










sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Mudança Interna



Esses dias Joana assistiu esse vídeo  Ela nem assistia a serie.. Assistiu apenas alguns episódios  Mas concordou inteiramente com o que é dito. Muitas pessoas tem dificuldade em mudar, eu diria a maioria.  Ficar onde está mesmo que seja desagradável traz segurança.  E muito mais que fatores externos essa resistência a mudança é o que mais empaca a nossa vida.

E eu concordo plenamente que quando finalmente mudamos muitas vezes é imperceptível  Foi assim com Joana. Uma simples saída para relaxar um pouco fez algo mudar dentro dela. Foi como se ela finalmente sentisse uma face de si mesma que antes era desconhecida.   Uma face que sabe que ela é capaz mesmo que todos a sua volta duvidem.

E foi uma mudança interna drástica que ninguém  ou praticamente ninguém viu, mas  que é obvia para ela. Porque agora os pensamentos depreciativos que Joana costumava ter não desapareceram, mas não a afetam como antes.  E como se ela depois disso soubesse que esses pensamentos derrotistas e depreciativos não correspondem a verdade.  Que pensamentos como : "Eu não tenho nada a oferecer" são mentirosos. E isso mesmo que ninguém tenha notado causou uma mudança incrível nela. Ela não se tornou imune as crises.  Apenas está conseguindo lidar melhor com elas.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Fazer Parte



Joana sentiu vontade de escrever sobre algo que ela sempre sentiu vontade e parecia nunca conseguir.  Sentir que faz parte de um grupo. Parece que agora ela descobriu algumas coisas sobre isso.  As vezes nos apegamos muito a certos papeis. mesmo que eles não sejam agradáveis   E Joana descobriu algo . Ela se apegou ao papel de: A excluída.

Quando nos apegamos a um papel sempre encontraremos uma maneira de continuar nele.  Então não importa quantas coisas em comum se tenha com as pessoas do grupo. Veremos a diferença isolada. E essa unica diferença será o suficiente para nos sentirmos a parte.

 Essa diferença é muito fácil de se encontrar. Afinal somos seres únicos   E querer encontrar pessoas exatamente igual a nós, não é querer fazer parte ou nos relacionar verdadeiramente. É querer encontrar clones. E isso não existe. Mesmo gêmeos, cada um tem a sua personalidade.

Nossa experiencia até o momento pode mostrar que a diferença exclui. Mas não é assim necessariamente.  A diferença pode ser enriquecedora e fonte de aprendizado. Podemos aprender uns com os outros através de nossos diferentes pontos de vista.  Se toda e qualquer diferença fosse razão de exclusão todos seriam excluídos, pois não existe uma pessoa igual a outra.  Cada pessoa tem uma historia que lhe é peculiar.  Cada pessoa tem a sua visão das coisas.  E aprender essas historias e essas visões pode ser bastante enriquecedor.

 Então no momento Joana está procurando uma outra forma de lidar com os relacionamentos. uma forma mais enriquecedora , em que ela não precisa esconder quem é.  E principalmente que ela não precisa ver a diferença como uma maldição, que ela não precisa ficar para sempre no papel da excluída   Que ela pode fazer parte mesmo com suas diferenças.