sábado, 27 de outubro de 2012

O Principal Desafio;




Após uma vida de isolamento Joana enfim se sentiu preparada para sair dele. Afinal ela acreditava já ter olhado para dentro de si o suficiente para sair de forma segura. Ela acreditava que havia adquirido confiança o suficiente. E como tudo o que havia lido lhe dizia: Quando confiamos em nós mesmos  as outras pessoas tendem a confiar. Joana acreditou nisso. Ela estava pronta. Tinha certeza que já havia se trabalhado o suficiente, tinha certeza que obteria bons resultados.  Afinal já havia descoberto as raízes de suas inseguranças. E até mesmo criado visões mais positivas para as coisas que lhe acontecem. Já havia feito as pazes com seu passado e estava pronta para seguir em frente.

E então, ainda um tanto reticente , Joana começou a se aproximar. começou a puxar assunto e falar com as pessoas. E sim, realmente ela estava melhor nisso. Tão melhor que surgiu algo em sua vida que ela nunca havia experimentado. Algo chamado intimidade. Um nível tal de aproximação que Joana não acreditava ser possível com ela.

Ela era diferente demais, problemática demais para alguém querer realmente se aproximar dela. Mas  o trabalho interno feito por Joana tornou isso possível.  Só que quando aconteceu não foi nenhum mar de rosas.  Afinal a intimidade, essa aproximação toda também tem seus desafios. Desafios esses que Joana nunca havia experimentado. E ao encara-los Joana descobre coisas sobre si mesma que não descobria estando isolada.

Joana acreditava lidar bem com separações. Afinal suas amizades nunca duravam além do curso que Joana fazia. Ninguem realmente "ficava"em sua vida e Joana parecia não se importar. " Tudo nem, a vida é assim, nada dura para sempre." Pensava.  No entanto será que essas pessoas realmente foram próximas? Será que eram pessoas que realmente faziam parte da vida de Joana? Que eram pessoas capazes de ouvi-la e entende-la quando ela estivesse triste? Não!!  Eram pessoas com as quais ela conversava sobre assuntos escolares ou de algum curso que ela fazia. Não era tão difícil se afastar dessas pessoas porque elas nunca realmente estiveram perto.

No entanto após Joana conseguir certa intimidade com algumas pessoas. Após ela sentir o gosto de ter uma amizade de verdade.  De ter por perto alguém que a considera mais do que simplesmente alguém de quem se poderia tirar duvidas escolares, e conversar sobre as próximas provas. Quando ela encontrou alguém que há viu como algo a mais do que a CDF ou a NERD.  Então ela pode ver claramente que não é tão desprendida assim.

Porque foi tão difícil acontecer. Na verdade Joana considerava impossível. Onde iria encontrar outra pessoa assim? Joana simplesmente não podia perder. É muito fácil abrir  mão de algo que você nunca experimentou. Você não sabe o quanto aquilo pode ser gostoso. Quando você não conhece a riqueza (e não falo em dinheiro, falo em qualquer aspecto da vida.) você pode viver na miséria e sequer se dar conta disso.  E realmente acreditar que isso é tudo o que se pode ter. Pode ser uma defesa, de certa forma evita a frustração. E assim como todas as defesas também limita a vida.

E ollhando para trás agora Joana percebe que nesse aspecto estava na miséria.  E quando a vida lhe deu um gostinho de alguma riqueza ela ficou com medo de não conseguir manter. E apesar de saber que o mais importante é como ela se sente consigo mesma. E que quando a pessoa se ama ela atrai tudo o que precisa.

O que acontece é que ela se pega pensando: Se eu perder essas pessoas encontrarei outras como elas? Porque embora digam que atraímos tudo o que nós acontece Joana não faz ideia de como atraiu essas pessoas. Dizem que é essencial acreditar ser possível. Mas Joana não acreditava. Ela ficou extremamente surpresa. Então Joana não sabe se atrairia novamente.

Esse medo cria apego.. E então qualquer desentendimento vira algo catastrofico. Algo que só consideraria catastrofico alguém que viveu em um isolamento profundo e acreditou que nunca mais sairia dele. Algo que parece ser difícil de entender para pessoas que não viveram isso.

E o medo do desentendimento e do afastamento parecem nos levar a reações em que é exatamente isso que conseguimos. E então se relacionar se torna muito complicado. E Joana se pergunta se dá conta. No entanto ela não consegue mais se isolar como antes. Não depois de ter um gostinho de uma vida diferente.

Os relacionamentos também ensinam muito.. Há muitas coisas que descobrimos sobre nós mesmos através deles. E agora Joana sabe que precisa encontrar uma maneira de se aproximar e ao mesmo tempo deixar o outro livre. E que nem todos os afastamentos são para sempre. E que mesmo que algum seja não significa que nunca mais terá amigos. Ao contrario da maioria das pessoas para Jona o relacionamento é mais desafiante que a solidão. No momento está sendo seu principal desafio.








Nenhum comentário:

Postar um comentário