quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Escutando a Voz Interior


Joana lê algo que a deixa com raiva. Foi-se o tempo em que Joana se culpava por sentir raiva. Joana tem aprendido a se aceitar. Mesmo que ela faça ou sinta coisas consideradas negativas. Nenhuma dessas coisas faz com que Joana mereça se odiar.

Então Joana simplesmente constata que está com raiva. E se permite vivenciar esse sentimento. Não, Joana não saiu por aí dando fora em todo mundo. Uma das coisas que Joana aprendeu foi que vivenciar a raiva não significa maltratar as pessoas. Significa apenas não se enganar. Admitir que está com raiva e não simplesmente fingir que ela não existe.

Mas Joana estava sentindo uma grande necessidade de expressar a sua raiva. E não. Também não é necessário sair dando fora em qualquer pessoa que apareça na frente a fim de expressar tal sentimento. Joana expressou sua raiva de duas maneiras.

Primeiro escreveu para o seu amigo. Desabafou legal, disse-lhe tudo o que estava sentindo. É claro que em situações como essa é preciso saber escolher com quem falar.É preciso escolher pessoas capazes de compreender. Porque quando se está com raiva é inevitável que a forma de falar não seja exatamente doce. srsrs. Se Joana não conhecesse ninguem compreensivo seria mais adequado escrever para ela mesma e depois rasgar o que escreveu para ninguém ler. Como ela já fez algumas vezes. Mas é sempre bom ter alguem para compartilhar bons e maus momentos.

Quando terminou de escrever para o amigo Joana já se sentia melhor. Mas dessa vez foi um sentimento muito intenso. Escrever não foi suficiente. Então ela resolveu seguir a dica de sua falecida terapeuta e bateu na almofada. Alias, Joana não bateu na almofada e sim a espancou.kkkkk. E mesmo a almofada sendo macia ela bateu com tanta força que sua mão chegou a doer. E depois de tudo isso parece que sua raiva foi liberada e ela pode ouvir sua voz interior. E dessa vez mesmo a voz sendo suave Joana ouviu nitidamente.

E essa voz lhe dizia: "Você fez uma escolha, agora confie nela mesmo que pareça que tal escolha não vai se concretizar, mesmo que não aconteça no tempo que você gostaria." E ao ouvir isso Joana se tranquilizou e se sentiu pronta para continuar sua Jornada.

3 comentários:

  1. Muitas vezes temos que desabafar,e assim liberar o estresse, depois tudo pode ficar muito mais tranquilo, explosões emocionais acontecem, belo texto.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Florzinha:
    Há uma explicação para você ter sido tocada pelo texto que leu em meu blog:ele apertou algum "botão interno" seu. É assim mesmo que funciona nosso inconsciente.
    Li também o post "Seja espontânea" e talvez, só talvez, tenha mexido com sua insatisfação interna sobre sua atuação em alguma/s entrevista/s de emprego, onde não tenha sido espontânea. Quem sabe, talvez, esse não teria sido o motivo de não conseguir o emprego?
    Veja bem, quando falo de escolhas, não me refiro só às conscientes, mas às inconscientes também e que, na maior parte das vezes, ferram com a gente. rsrs
    Esse é um bom assunto para você conversar com sua terapeuta e entender melhor qual a sua responsabilidade no fato de não ter conseguido emprego na sua profissão. Você já aprendeu, não é, que somos responsáveis por tudo o que nos acontece?
    Meu carinho pra você

    ResponderExcluir