terça-feira, 26 de julho de 2011

Rua da Incerteza

incerteza

 

A Flor está no limite

em mais uma daquelas ruas

que parecem sem saída..

 

Indo por um caminho

o qual não tem certeza

se a levará onde ela gostaria..

 

A Flor sempre gostou da segurança

mas agora caminha na rua da incerteza

uma rua que a Flor nem consegue ver

se é realmente sem saída

 

Quando algo parece ao seu alcance

esse algo parece se afastar

e fugir da Flor. E por mais perto

que esteja parece inalcançável.

 

Como se estivesse a um palmo da Flor

mas quando a Flor anda um palmo

esse algo também anda um palmo

 

Como uma distancia que se mantem

constante por mais que a Flor ande

sem saber se haverá mesmo um dia

em que a distancia será eliminada

mas ainda assim a Flor

caminha com esperança

na rua da incerteza…

terça-feira, 12 de julho de 2011

Se Abrindo no Virtual

Mundo-virtual

 

Depois de muito conversar com seu novo amigo, alias novo e único. Sim, era a primeira vez que Joana sentia o gostinho de uma amizade. Era a primeira vez que ela se sentia a vontade o suficiente para falar de suas esperanças, seus medos, suas dores. Enfim de todas as coisas que se passavam em seu interior.

Era a primeira vez que alguém entrara em seu mundo e mais que isso , era a primeira vez que alguém parecia apreciar  o seu mundo. Isso era algo que Joana acreditava que nunca iria acontecer.

Mas quando ela conversou e permitiu a entrada desse amigo aconteceu então ela concluiu: “Meu mundo não deve ser tão pobre assim, devo ter algo a acrescentar. Talvez outras pessoas gostem.”

E assim ela conseguiu reunir coragem o suficiente para sair um pouco e se aventurar a mostrar seu mundo para outras pessoas. No entanto ainda havia muito receio dentro dela. Ela queria se sentir pelo menos um pouco segura. Como faria isso? Tudo seria novo demais e Joana tinha medo de não aguentar…

Então ela teve uma ideia:  “Farei pela internet é uma forma de eu me conectar com as pessoas sem sair de repente da segurança do meu quarto.”

E assim Joana começou a utilizar mais o seu orkut. Ao invés de usa-lo apenas para ler. Joana começou a postar sua opinião nas comunidades. Escrevia pouco é verdade porque ela sabia dizer o que queria em poucas palavras.

No entanto, para sua surpresa, as pessoas liam o que ela escrevia, e até comentavam. Pode parecer incrível mas Joana não acreditava que isso iria acontecer. Joana sempre subestimou o seu impacto. Joana achou que não iria chamar atenção de ninguém. Mas algumas pessoas até a adicionaram no MSN.

E assim ela começou suas primeiras amizades virtuais. Sim, porque nem mesmo amizades virtuais ela tinha. Já que não se expunha nem mesmo pela internet.

Algumas dessas amizades foram muito temporárias. Mas outras ficaram e enriqueceram muito sua vida. principalmente sua amiga Daniela com quem ela tem contato até hoje.

Nem tudo foram flores> Houveram algumas confusões e desentendimentos. E para estes parece que Joana não estava preparada. A cada mal entendido ela pensava que talvez fosse melhor voltar para toca.

Mas Joana não conseguia mais. Simplesmente não conseguia mais viver como antes. E ela se sentiu quase que obrigada a continuar..

Mas esses desentendimentos e essa vontade de desistir ficarão para a próxima historia…

domingo, 3 de julho de 2011

O Visitante

Amizade_420210141_083_amizade

Apesar de Joana te-lo deixado entrar em seu quarto. Ela ainda desconfiava. Porque alguém iria querer entrar e conhecer o quarto dela? Era tão simples…. Não havia nada de especial nele.

Alias Joana até mesmo acreditava que sei quarto era muito mais pobre que os outros. Mas esse sei recente amigo parecia discordar. Ele vivia dizendo que o quarto era fantástico.

Joana estava perplexa. Como assim??? Não ele não devia estar vendo direito. Joana começou a sentir um forte medo. A qualquer momento ele poderia ver que o quarto era medíocre e decidir sair dele para nunca mais voltar.

Joana não queria isso. Ela estava gostando de ter alguém para falar sobre as coisas. Sobre suas dores. No começo a conversa foi praticamente sobre as dores. Não era agradável, mas Joana nunca tinha feito isso. Precisava colocar para fora. E ele demonstrava uma compreensão que Joana não sabia que existia.

Então esse novo amigo era alguém que ela não podia perder. Joana sentiu um impulso quase incontrolável de fazer algo para que ele não saísse.

Ela utilisou táticas contraditórias. Ora falava mal de si mesma e do seu quarto para diminuir o choque da decepção que para Joana parecia inevitável. Uma hora ele iria descobrir que ele não era maravilhosa.

Ora tentava impressiona-lo com sua dedicação. Essas duas estratégias a deixavam sem saber como agir…. E no final das contas eram totalmente desnecessárias porque ele já gostava dela independente do que ela fazia. Joana demorou a perceber isso.

Quando começou a perceber isso lhe deu uma nova força. Foi então que Joana decidiu que iria se expor mais.

Mas isso já é uma outra história….

sábado, 2 de julho de 2011

A Prisão de Joana

 

Antes de fazer a postagem de hoje. Gostaria de comunicar a todas os leitores do meu blog o seguinte: Eu fiquei um tempo sem poder postar devido a vários motivos. E durante esse tempo vi que algo mudou em mim e minha expressão se expandiu. Então manterei o nome do blog e o endereço pois ele já é conhecido por muitas pessoas. Mas a partir de hoje o blog não conterá apenas poesias. As vezes postarei também contos… E com o tempo poderão haver outras mudanças. Esse blog é o meu espaço para me expressar. E esse espaço assim como eu é mutável…

Então vamos ao Primeiro conto que fiz.

prisao

A Prisão de Joana

Joana vivia meio enclausurada., assim como a rapunzel. Embora ela não estivesse no alto de uma torre. Nem em uma prisão material.
Mas ela estava presa. Presa pelo medo que ela tinha de viver. Medo de não ser capaz de lidar com alguma experiência que viesse.
Por isso ao invés de viver Joana lia. Lia varias coisas. Historia de ficção pois parecia que ela vivia através dos personagens. Era uma maneira segura de "viver". Lia sobre assuntos da ciência. Joana era curiosa e as novas descobertas cientificas de certa forma satisfaziam sua curiosidade. ouvia musica e assim conseguia entrar em contato com seus sentimentos.


E o melhor de tudo é que ela podia fazer isso no quarto dela. Lá não haveria ninguém para criticar qualquer coisa que ela fizesse. Lá ninguém enchia o seu saco falando que ela deveria sair mais. Sair mais para que? Para ficar sem assunto? Sim porque ninguém mais se interessava pelo o que ela se interessava. As pessoas não gostavam do papo dela e ela não gostavas do papo das pessoas.
E Joana aprendeu a tirar o máximo de satisfação vivendo em seu quarto. Ela não sentia como se estivesse perdendo algo. Se ela saísse sofreria muito. Estava convicta disso.
Um dia alguém bateu em sua porta e pediu para entrar. Joana se espantou. Nunca ninguém tinha demonstrado interesse de entrar em seu quarto. Apenas seus pais queriam a todo custo que ela saísse. Mas nem eles se interessaram em entrar.

Joana desconfiou. Para que ele quer entrar? Porque o interesse. Ela hesitou mas a insistência foi tanto que ela permitiu a entrada dele.
E ele começou a conversar com Joana. E disse que ela poderia lidar com qualquer coisa fora do quarto. E com o tempo ela acabou acreditando. E agora está saindo do quarto.
Muitas pessoas lhe gritaram exatamente isso do lado de fora. Mas Joana acreditou apenas na única pessoa que se interessou a entrar no seu quarto.