quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Tentando o Impossível

 

luz e sombra

A Flor de repente se deu conta

ela passou 98% de sua vida até agora

tentando o impossível

 

A Flor é extremamente dedicada

extremamente determinada e persistente

E assim ela persistiu no que acreditava

ser o melhor, a melhor das atitudes

 

Ela persistiu em não  ter nenhum

sentimento negativo em nenhum

momento de sua vida

 

A Flor persistiu em tentar

ser simpática com todos

mesmo com as pessoas

dais quais ela sofria algum

abuso psicológico. A Flor sentia

que ela tinha se ser boa com todos

sejam eles com fossem

Haja o que houvesse.

 

E assim a Flor insistiu em uma bondade

bondade essa que nada tinha de

verdadeira ou genuína. Era apenas

algo que ela sentia que tinha de ser

e por isso era algo forçado

 

A Flor não conseguia ser boazinha

todo o tempo. E isso a deixava

frustrada. Ela se sentia incapaz

 

Mas a Flor nunca foi incapaz

ela apenas estava tentando

o impossível. A flor assim como todos

possue os dois lados. E a questão

nunca foi eliminar o lado escuro

mas encontrar um equilíbrio

entre a Luz e a escuridão

4 comentários:

  1. Uma vez uma amiga me explicou uma expressa que ela chamava de "ingenuidade sombria"... É aquela ingenuidade que na verdade esconde a sombra... E aí, o que geralmente acontece é que as pessoas ao redor, tornam o ser "ingênuo sombrio" em uma espécie de "bode expiatório"... Reconhecer isso, é reconhecer os aspectos sombras e sair deste lugar... É amadurecer... Se abrir em flor, mas bem acordada...
    Beijos garota!!!!

    ResponderExcluir
  2. Talvez você não se lembre de mim. Espero até que você não se lembre de mim. Mas eu lembro de você e penso em você de vez em quando. Não é todo dia, não é toda hora, mas sim, por um mísero ano convivemos juntos e você me deu boas lições de vida.

    A primeira de todas é que eu sou nada mais e nada menos do que um covarde. Eu podia ter feito uma escolha e ter tentado evitar o pior. Mas durane todos os outros anos era eu e pronto. Naquele ano, era eu ou você. Eu escolhi você para sofrer por mim. Claro que nunca deixei de ser um alvo, mas já não era mais O alvo.

    Estou te escrevendo pois digitei seu nome no Facebook, vi seu perfil e cliquei no seu blog. Li um pouco sua produção. É lindo você se citar como "A Flor". Realmente, seu nome combina muito com você. Mas gelei de tristeza ao ler seus relatos. Em todo momento, você tenta entender porque "A Flor" não se encaixava. O que teria acontecido para a Flor ser tão errada assim?

    Nada, Flor. Você não era a errada. Nós é que somos errados demais. Você é um anjo de bondade e inocência. Nós somos demônios invejosos de tanta luz. Nós simplesmente não podíamos aceitar alguém melhor que a gente, e cercávamos anjos como você para lhe prejudicar e tentar fazer com que você fosse um pouquinho pior como nós. Nós, os seres sem luz e sem caráter, preferindo seguir o gado do que ser excluído por não se aceitar diferente, não conseguíamos aceitar que havia alguém melhor que a gente.

    Eu cresci. Escapei daquele colégio em 2001, quando me formei. Fiz História na UFRJ e de repente descobri que não era feliz. Larguei a faculdade em 2005 e fiquei um ano sem contar pro meu pai que tinha deixado a UFRJ. Não conseguia admitir pra ninguém (nem para mim mesmo) mais essa derrota. Pensava a todo momento que os anos de sofrimento na escola iriam durar para sempre. Sempre haveria um corvo para pousar na janela e declarar "nunca".

    Hoje eu sou técnico de palco, e tenho o prazer imenso de dizer com a boca cheia que tenho o raro privilégio de trabalhar com o que gosto. Sou feliz com a minha produção profissional, eu chego em casa e sorrio pelo dia, por mais caixas e por mais cansativo que tenha sido. Sei que cada dia que volto para casa participei de algo Mágico como a arte. Mas entre sair da faculdade e ser feliz assim tive um buraco negro.

    Eu aprendi nesse meio tempo que cada ser humano é uma peça única e linda. Assim como nossa digital não pode ser repetida, nossa personalidade não. E que aceitar que você não é melhor que ninguém é o primeiro passo para descobri que ninguém precisa ser igual a você. Infelizmente, eu tentava na escola ser igual a todos aqueles que me sacaneavam, e só descobri que não precisava ser muitos anos depois.

    Eu sei que talvez ouvir de uma pessoa que estudou contigo seja ofensivo para você o que vou dizer, mas entendo o que você passou. E sei que não fui o maior culpado de tudo que você passou naquele ano, mas sei que tenho minha parcela de culpa e mereço ser julgado pelos meus crimes de guerra. Só que eu não poderia mais ficar aqui sem botar minha cara a tapa para você, e para ouvir o que quer que você deseja para mim, qualquer elogio ou xingamento. Mas eu preciso te pedir perdão, digitalmente de joelhos, por de alguma forma ter feito parte de algo que prejudicou sua vida. Sei que não sou o maior vilão mas sei que não mereço flores. Mas eu quero que você entenda que a culpa é mais nossa do que sua. Você nunca esteve errada, você sempre foi sincera com você mesmo. Siga no caminho.

    Um beijo,

    Diego, turma L11 de 1999 do colégio horizonte
    (não consegui expressar tudo que queria, mas espero que a mensagem principal seja entendida)

    ResponderExcluir
  3. OLá Diego,

    Em primeiro lugar gostaria de dizer que fiquei impressionada com a sua coragem de se expor dessa maneira. E fiquei um pouco surpresa. Eu não esperava que alguém daquela época fosse sentir vontade de me procurar no FB.

    Sabe a adolescência é uma fase complicada para todo mundo. É uma época em que ainda somos muito imaturos.

    Eu aprendi muito de lá para cá. E hoje eu sei que o problema nunca é o fato em si mas nossa atitude em relação a ele.

    Hoje eu olho e vejo que eu poderia ter agido diferente. Existiam pessoas dispostas a serem minhas amigas. Mas eu já estava muito defensiva. Desconfiando de todos que se aproximavam. Não acreditando que alguém pudesse querer realmente ser meu amigo.

    E essa minha atitude nem começou no Horizonte. Começou no meu antigo colégio. Então eu não culpo ninguém pela minha dificuldade em fazer amigos. Porque foi essa crença errônea que me levou na verdade a não te-los. Pois com essa crença qualquer tentativa de alguem de aproximação seria frustrada.

    Mas na época eu nem pensava muito nisso. Eu semplesmente estudava. Eu reprimi os meus sentimentos para não sofrer. mas outra coisa que eu descobri reprimir nunca é bom. O sentimento continua e acaba interferindo na sua vida.

    O que eu passei realmente não foi agradável, mas me fez aprender muita coisa. mas me fez aprender muita coisa. Me fez entrar em uma jornada que me permite descobrir minha beleza interior.

    Quando algo assim acontece a culpa nunca é só de uma das partes. Alias eu não gosta da palavra culpa, prefiro responsabilidade. Eu aprendi que atraiamos o que acreditamos. E o que eu acreditava era que nunca poderia ter amigos.

    Hoje eu não penso mais assim. E até que tenho bastante amigos. No final das contas tudo o que aconteceu foi bom mesmo sendo desagradável. Afinal posso ver que tanto eu quanto você crescemos muito de lá para cá.

    ResponderExcluir
  4. É o que mais encontramos por aí, menina, esta falta de equilíbrio que você muito bem explicitou neste poemar.
    Adorei vir por tuas páginas.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir