quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

A Flor e a Amiga

Companheirismo de mãos dadas feito

Como duas pessoas podem ser

tão diferentes e ao mesmo tempo tão iguais?

Pode não fazer sentido mas é o que acontece

entre a Flor e uma grande amiga dela

 

A Flor gostava de estudar, ainda gosta

por isso a Flor fez dos estudos sua fuga

a maneira de se defender contra um

mundo cruel e que não a entendia

 

A amiga já não ligava muito para

os estudos. Se revoltou contra os padrões

e se recusou a segui-los. Já Flor

queria pertencer a algum lugar

e para isso faria qualquer coisa

inclusive seguir padrões que não acredita

 

A amiga tentava ser entendida

expressando suas emoções. Já a Flor

reprimia suas emoções pois achava

que expressando-as ninguém a entenderia

 

Mas a Flor  percebeu algo. Tais diferenças

são superficiais. São apenas defesas diferentes

formas diferentes de lidar com os mesmos

sentimentos de rejeição, de inferioridade

de não pertencer a lugar algum

 

Então mesmo com as diferença de atitudes

a Flor e a amiga são iguais em sentimentos

E é daí que vem tamanha afinidade

e segurança ao falar uma com a outra

Afinal, elas são diferentes

mas ao mesmo tempo iguais

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Metamorfose Ambulante

metamorfose

A maior parte da vida da Flor

foi livre de mudanças

sejam elas interiores  ou exteriores

 

E isso não a incomodava

ela achava melhor assim

gostava da estabilidade

A estabilidade fazia com que

a Flor se sentisse segura

 

Mas de uns anos para cá

tudo mudou.  E a estabilidade

pareceu evaporar no ar

 

A Flor começou a sentir as dores

de coisas passadas  começou a sentir

a dor de que sempre fugiu

a dor que nunca havia se permitido sentir

 

Mas dessa vez parece não ter havido

escolha, acumulou tanto que não dava

não tinha mais aonde esconder

Não havia mais espaço

aquela dor tinha de sair

 

E agora parece ter saído já

grande parte de sua dor

e com essa saída seu interior

muda como nunca antes foi capaz

e o interior da Flor passa a ser

Uma metamorfose ambulante

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Aproveitar a Vida

aproveitar

As vezes a Flor olhava

a volta do Jardim em que estava

A Flor não sabia o motivo

tudo o que ela sabia era

que ela não se encaixava ali

ali não era o seu lugar

 

Parecia que o vento havia

cometido um erro e colocado

a semente em um local errado

Essa flor devia estar destinada

a outro Jardim mais a ver com ela

 

Afinal lá só queriam saber de festas

de badalação, de sair ficando com

qualquer um que aparecesse na frente

 

E a Flor achava o português, matamática,

ciências, geografia enfim qualquer matéria

muito melhor do que ir a um local

super barulhento que nem dá para conversar

 

A Flor tentou se comunicar mas

ninguém parecia interessado no que

ela tinha a dizer.  Só se interessavam

em curtir as baladas e diziam que a Flor

não aproveitava a vida

 

Acontece que para a Flor isso

não era aproveitar a vida

para a Flor aproveitar a vida

é descobrir novas coisas

Crescer a cada experiência nova

e como recentemente descobriu

fazer a cada dia mais descobertas

a respeito de seu eu interior

 

A Flor decidiu já é hora

de parar de tentar se enquadrar

a viver a vida a maneira dela.

domingo, 16 de janeiro de 2011

A viagem

viagem

A Flor está fazendo uma viagem

Não, não é uma viagem física

mas mesmo assim é fascinante

 

é uma viagem rumo ao eu interior

Nela você descobre aspectos

que nunca sonhou encontrar

dentro de si mesmo

 

Descobre coisas que preferiria

nunca descobrir mas descobre também

potencias que nunca sonharia ter

 

Descobre o quanto você contribuiu

para que sua vida esteja da maneira que está

e descobre que, mesmo que não seja

de um dia para oi outro, sua  vida pode ficar

da maneira que você sempre sonhou

ou talvez até melhor  do que um dia

conseguiu imaginar

 

E assim a Flor segue essa viagem

que nem sempre é fácil

mas é sempre fascinante

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

A Fuga para o Mundo interior

mundo interior

O mundo parecia ameaçador

A Flor não via em si recursos

para lidar com ele para sobreviver nele

A Flor parecia vulnerável demais

e não ter meios de defesas

 

Nessa situação o que a Flor faria?

Como a Flor sobreviveria?

Como conseguiria viver o dia a dia?

 

A Flor então fez o que parecia

ser a única saída, a única solução

o único meio de não pirar completamente

 

A Flor criou um mundo em sua mente

e nele se escondeu quase nunca se

aventurando no mundo exterior

Seu mundo interno parecia muito

melhor e mais agradável

além de menos perigoso

 

E assim a maior parte da sua vida

a Flor quis impedir o movimento

o ciclo natural das coisas e tentou

a todo custo permanecer sempre

uma Flor fechada. Impedindo

as petalas de se abrirem

 

Mas a natureza seguiu seu curso

independente de sua vontade

não se pode impedir o movimento

natural para sempre

 

E o desabrochar foi bem complicado

no começo e as vezes ainda é

mas a Flor descobriu ganhos inesperados

no processo de se abrir ao mundo

ela descobriu que mundo não é

tão perigoso e que nele

existem pessoas que lhe dão

as Boas vindas!!!