quarta-feira, 31 de março de 2010

A lagarta e a Borboleta

Agora mostrei o diálogo interno
acontecendo nesse momento
São duas partes diferentes da flor
Um tanto quanto contraditórias
mas que estão no interior da mesma flor

Desse dialogo fazem parte
a Borboleta e a lagarta
Dialogo este que relatarei a seguir:

Lagarta: O cliente faltou
dará o trabalho certo realmente?
Borboleta: poucas pessoas nos conhecem
quando formos conhecidas um cliente
a menos não fará diferença
Lagarta: E se não formos?
Borboleta: porque não seríamos?
Lagarta: talvez as pessoas não venham
Borboleta: Não reparaste. Elas já
estão vindo. Imprevistos acontencem
Não dá para encher a agenda
no primeiro mês

E assim vai indo
em um dialogo sem fim
infelizmente não há
como relata-lo todo aqui

É o dilema entre a borboleta
que quer nascer e a lagarta
que se recusa a morrer

Dilema que só terá fim
com o nascer da Borboleta

domingo, 28 de março de 2010

Palavras Inofensivas!?

Algumas pessoas parecem pensar:
palavras não podem ferir
Não podem mesmo?

A violência física ninguém
questiona. Ela é visível
se vê as marcas no corpo
Ninguém diz: é frescura.

Quando algo é verbal
então a ferida é na alma
e a alma não é visível
torna-se frescura

Se repetem constantemente
você é uma droga
você pode acabar acreditando

E isso acaba acontecendo
quando não se tem a vacina
Uma vacina chamada:
consciência do próprio valor

A flor na época não teve a vacina
e agora está tomando o soro.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Mania de entender

Entender as pessoas
entender a vida
entender o trabalho
entender as emoções
entender o sentimento

Entender o que está acontecendo
e o que não está acontecendo
eis a mania da flor:
entender absolutamente tudo

Afinal a flor achava
que somente assim
poderia lidar com a vida

Mas engraçado a flor estava enganada
e a maneira escolhida por ela
de lidar com a vida é
exatamente o que a torna
muito complicada

Ora, existem coisas
que a flor não entende
e isso a deixa ansiosa

Um dia a flor decidiu
aceitar mesmo sem entender
e aceitar que está tudo bem
não entender algumas coisas

Então a ansiedade diminuiu
e as coisas ficam mais simples

quinta-feira, 18 de março de 2010

A Pessoa do Pedestal

Há uma pessoa em especial
que a flor admira muito
é uma pessoa próxima
e quase sem perceber
a flor a colocou
em um pedestal

A flor pensava assim:
sem dúvida ela é melhor
ela é inteligente
é boa em tudo o que faz
é super segura e também
é muito espontânea

Isso se tornou uma convicção
uma verdade absoluta para a flor

A tal ponto da flor se
surpreender ao notar
que essa pessoa também
tem suas inseguranças
que há momentos em que
ela também sente medo

A flor se surpreendeu
pelo simples fato de que
a pessoa do pedestal
assim como a flor
tem sua parte humana

quinta-feira, 11 de março de 2010

O Mundo novo da Pratica

A flor estudou
a flor se formou
mas ela não poderia
passar o que aprendeu
para outros.

Afinal isso equivaleria
a sair da teoria e entrar
em um novo mundo da prática

E sua crença sobre si mesma
lhe dizia: és boa apenas
na teoria. Boa estudante
é tudo que podes ser

Como poderia trabalhar
se sua crença básica lhe dizia
Não podes ser nada além de estudante?

Um dia a flor começou a questionar
a validade de tal crença
e a flor percebeu algo
apenas pelo fato de questioná-la

A crença foi perdendo a força
e agora ele já começou
em seu trabalho

E está cada dia mais certa
de que ela pode ser mais
do que apenas uma boa estudante
e entrar no mundo novo da pratica

domingo, 7 de março de 2010

Abstinência do Julgamento

A flor nunca experimentou
nenhuma droga ilegal
e o álcool, bem ela
não gostou nem um pouco

Mas ainda sim a flor
percebeu que poderia
ser considerada
uma espécie de viciada emocional

E o principal vicio seria
a comparação. Comparação essa
que a leva a se sentir inferior

Quando a flor descobriu
que possuía essa tendência
e o quanto isso a prejudicava

Passou a praticar uma espécie
de abstinência. No começo foi
um pouco complicado

Mas com o tempo ela percebei algo
quando a comparação vinha
e a flor a observava sem julgamento
e sem dizer a si mesma o quão absurdo
era ela fazer isso consigo mesma

A comparação aos poucos
ia perdendo sua força
e seu efeito sobre a flor

Então ela percebeu que a melhor
forma de abstinência quanto
a comparação ou qualquer outra
atitude que a fizesse se sentir mal
era na realidade abstinência
total do julgamento

sábado, 6 de março de 2010

Musica Unwritten

Eu ouvi essa música no outro dia e adorei. Gostei tanto que não pude deixar de comentá-la aqui em meu blog.

De certa forma eu estou tentando colocar em pratica o que a musica diz.


Eu diria que meu livro começou com o inicio do meu blog. Aqui eu encontro as palavras que ainda não havia encontrado.

Através de meus poemas eu conto as minhas vivencias até hoje. O dia de amanhã ainda está por ser escrito.

http://www.youtube.com/watch?v=x3oavkXfBPE&feature=related

quinta-feira, 4 de março de 2010

Tsuname

A flor está liberando
muitas emoções reprimidas
e ao mesmo tempo aprendendo
a lidar com as mesmas

Essas liberações acontecem
de várias maneiras diferentes
Essas maneiras poderiam ser
comparados com: a chuva,
a tempestade ou mesmo
um grande tsunami

Tudo depende de uma coisa
do quão grande foi a ferida
que causou a repressão

Se a ferida é pequena
há apenas uma chuva fraca
Se a ferida é media
há uma tempestade

Mas se a ferida for grande
então foi preciso muita energia
para reprimir a emoção
e em determinado momento
ela se solta

Independente da vontade
racional da flor.
E então ocorre
o tsunami

Talvez seja possível
liberar sem tsunames
mas a flor ainda não
descobriu isso.

Mas a flor está descobrindo
que não importa o tamanho
do tsuname. Ela sempre pode
lidar com ele.E com suas consequências